Conheça as melhores práticas de higiene e segurança para abates

Higiene e segurança para abates

O trabalho na indústria frigorífica é acompanhado de uma série de riscos, principalmente quanto à higiene e segurança. Quando não adotam cuidados redobrados, eles podem ocasionar contaminações e afetar a segurança dos trabalhadores.

Dessa forma, é de responsabilidade de todos de dentro da indústria frigorífica adotar práticas baseadas em rigorosas normas de higiene e segurança que protejam os trabalhadores e os produtos.

Conheça os principais riscos associados à indústria de abates e quais são as melhores práticas de higiene e segurança que garantem o bom funcionamento deste segmento.

 

Principais riscos relacionados à indústria de abate

Principais riscos relacionados à indústria de abate

Toda indústria está sujeita a riscos, que são inerentes à maioria das atividades industriais. Porém, na área de frigoríficos (destinado ao abate e desossa), os riscos presentes são um pouco mais específicos, englobando:

  • Frio constante, que pode gerar desconforto ao trabalhador, sujeito a sofrer doenças ocupacionais;
  • Movimentos repetitivos, ocasionando, muitas vezes, por casos de LER (Lesões por esforços repetitivos) e DORT (Doença Osteomuscular Relacionada ao Trabalho);
  • Cortes, devido ao uso de facas e serras;
  • Dificuldades de cunho psicológico, que podem interferir na rotina dos colaboradores por diversas razões, caso da pressão por produtividade;
  • Contaminação cruzada.

Para reduzir a ocorrência desses riscos, há alguns padrões que devem ser seguidos pela indústria frigorífica, como é o caso dos apresentados na NR-36, que serão abordados a seguir!

 

NR-36 – A norma que regula a operação dos frigoríficos

A norma reguladora mais recente para a operação de um frigorífico é a NR-36. Ela é focada nas questões de segurança e saúde no trabalho das empresas responsáveis pelo abate e processamento de carnes e derivados.

O objetivo desta NR é garantir segurança, saúde e qualidade de vida no trabalho. Para isso, ela estabelece requisitos mínimos para a avaliação, controle e monitoramento dos riscos relacionados às atividades realizadas a esse tipo de indústria.

Assim, a NR-36 regulamenta vários aspectos de importância, tais como:

  • Mobiliário e postos de trabalho;
  • Estrados, passarelas e plataformas;
  • Correto manuseio de produtos;
  • Levantamento e transporte de produtos e cargas;
  • Recepção e descarga de animais;
  • Máquinas, equipamentos e ferramentas;
  • Condições ambientais de trabalho;
  • Gerenciamento dos riscos;
  • Programas de prevenção dos riscos ambientais e de controle médico de saúde ocupacional;
  • Organização temporal do trabalho e de todas as atividades. 

 

Principais medidas de higiene e segurança na indústria de abate

Principais medidas de higiene e segurança na indústria de abate

Na indústria frigorífica, há uma série de medidas que devem ser adotadas e garantem maior higiene e segurança dos trabalhadores e dos produtos.

Inicialmente, o uso de EPIs e EPCs é, sem dúvida, a medida preventiva mais eficiente para reduzir os riscos enfrentados diariamente pelos trabalhadores do segmento.

Os EPIs garantem a integridade física de cada trabalhador. Para isso englobam as luvas (anticorte, para câmara-fria) botas, vestimentas térmicas específicas e capuz (quando se trabalha no frio), além de aventais. Nas atividades relacionadas à exposição ao frio, por exemplo, devem ser fornecidas meias limpas e higienizadas diariamente.

Já para os faqueiros ou magarefes deve haver o fornecimento de luvas de malha de aço bem como aventais feitos no mesmo material.

Os EPCs (equipamentos de proteção coletiva), por sua vez, também apresentam grande importância. Eles visam promover a proteção da integridade física e saúde de todos os trabalhadores e terceiros

Entre os EPCs mais importantes merecem destaque a sinalização de segurança, proteção de serras e equipamentos, importantíssimos para uma operação mais segura dos frigoríficos.

Quanto à higiene, há uma série de recomendações que merecem destaque. Este processo é construído através da junção das etapas de Limpeza e Desinfecção.

Na indústria frigorífica, a limpeza representa a etapa na qual são removidos resíduos e sujidades diversas.

A desinfecção, por sua vez, é a etapa que reduz os microrganismos, através do uso de produtos químicos ou métodos físicos a um nível aceitável que não ocasione a contaminação dos alimentos.

Nesse setor, a higiene pode compreender uma simples lavagem, exigir uma desinfecção mais detalhada, ou situações mais críticas, envolvendo até a esterilização.

O importante, para estes casos, é contar com os melhores produtos e utensílios de higiene, que vão evitar a contaminação cruzada, por elementos externos ou mesmo por corpos estranhos.

Dessa forma, o pleno atendimento das regras de higiene e segurança, além de obrigatórias e passíveis de multas, processos e autuações por descumprimento, são a melhor forma de proteger o trabalhador e toda a operação de abate.

Equipamentos de proteção individual (EPIs) Brasmo - faça um orçamento!

Continue seguindo o blog da Brasmo e saiba tudo sobre as soluções que garantem a higiene e segurança em setores diversos.

Compartilhar
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Assine a Newsletter

Ao informar seus dados, você aceita receber comunicações.

7 dicas para aprimorar BPFs e evitar a contaminação cruzada

Na indústria alimentícia, a contaminação cruzada é uma das principais causas de doenças transmitidas pelos alimentos. Para evitar esse tipo de problema, existem as Boas

ESD: conheça as normas e certificações para descargas eletrostáticas

A descarga eletrostática (ESD) é uma ocorrência em que uma carga elétrica se acumula em uma superfície e é descarregada em outro material. Portanto, ela

Higiene industrial na área de produção: quais cuidados são necessários?

Cuidar da saúde e do bem-estar dos colaboradores de uma indústria é uma tarefa fundamental para o bom desempenho do negócio. Para isso, é necessário

Categorias

Ficou interessado ou está com alguma dúvida?