ATEX: conheça o certificado e onde ele se aplica

ATEX: conheça o certificado e onde ele se aplica

atex

Na atualidade, pode até ser que a sigla ATEX esteja mais perpetuada. Mas, para além da sigla e seu significado – que é Atmosfera Explosiva – existe uma série de razões. É fato que a tecnologia e as máquinas são grandes aliadas das empresas e de seus funcionários. Com elas, é possível entregar um produto com melhor acabamento e executar o serviço de forma instantânea, além da melhora na performance.

No entanto, como em todas as nossas tarefas cotidianas, mesmo contando com tecnologia e máquinas inovadoras como aliadas, é necessário adotar alguns padrões. Esses padrões, além de facilitar a identificação de problemas, podem conceder as características de cada produto que sai da empresa e chega ao consumidor.

Em meados dos anos 1950, começaram a aparecer diversas certificações que visavam autenticar as empresas de acordo com suas especialidades. Uma das mais conhecidas na área e que possui maior respaldo é a ATEX. Mas você sabe o que é essa certificação? Quais os padrões que ela exige e os benefícios que pode trazer à empresa? Pensando em responder algumas dessas perguntas, preparamos este artigo

ATEX: o que é e o que significa

A ATEX, para os que ainda não a conhecem, é uma certificação que garante uma segurança maior no uso de vários equipamentos elétricos, eletrônicos e mecânicos em locais que possam ser de extremo risco ao funcionário e a empresa. As maiores causas de risco são a concentração de gases e de vapores, neblina, concentração de pó e poeira.

Além de serem as condições mais facilmente encontradas no Brasil, elas apresentam um risco enorme, pois todo equipamento com impacto ou atrito mecânico ou elétrico solta alguma faísca de vez em quando. Você consegue imaginar uma situação em que um equipamento sem certificação ATEX desencadeia uma explosão?

Mas pode piorar. Imagine se essa empresa, onde ocorreu a explosão por meio do equipamento, estiver situada ao lado de uma escola. Pois é. Não são somente os funcionários que precisam dessa proteção. Todo o local ao redor necessita que a empresa tenha este certificado. Representa maior segurança para todos: para você, sua empresa, aos funcionários e também às pessoas que convivem ao redor.

Saiba mais sobre a descarga eletrostática aqui

Origem do certificado ATEX

Sua origem é bastante controversa, mas a mais aceita pelos especialistas do ramo é que ela se originou com a Comissão de Empresas e Indústrias da União Europeia, em 1994. A primeira emenda feita dentro do certificado regulamenta a produção de equipamentos seguros que não oferecem risco de explosão. A segunda, estabelece alguns requisitos mínimos que todas as empresas têm a obrigatoriedade de cumprir. Com essa certificação, a comissão agiu para estabelecer um padrão a ser cumprido, pois na época ocorreram diversos casos de explosões na Europa — principalmente na Alemanha e na França.

Como dissemos anteriormente, a sigla ATEX significa “Atmosfera Explosiva”. Mas o seu nome original está escrito em francês: Appareils destinés à être utilisés en Atmosphères Explosives — algo como “Aparelhos para uso em atmosferas explosivas”. Diversas certificações diferentes são utilizadas por países fora da União Europeia — muitos deles por desentendimento para com a União. Elas realmente são efetivas, mas a ATEX é a mais conceituada mundo afora.

Ainda existem muitas ocorrências no dia a dia das indústrias, como choques e descargas elétricas em operadores de aspiradores de pó sem certificação ATEX. O trabalho de limpeza de poeiras em moinhos e outras fábricas pode ser letal ao colaborador sem os equipamentos de proteção individual e os utensílios adequados para as tarefas.

Por que sua empresa deve obter a certificação ATEX?

No Brasil, há diversos setores onde os padrões ATEX devem ser implementados, como os setores industriais e comerciais nos quais é preciso manusear e armazenar materiais explosivos e inflamáveis. De acordo com as condições do ambiente onde a atividade é exercida, pode-se desencadear explosões, afetando diretamente a segurança dos funcionários e dos transeuntes.

Em casos de moinhos, mineradoras, petroquímicas e indústrias farmacêuticas, é de suma importância que a empresa em questão esteja com sua certificação ATEX — o não cumprimento ocorre em multas pesadas às corporações.

Classificação das zonas

A diretiva ATEX cobre explosões de gases, mas também poeira sólida (que, contrariamente à percepção comum, pode levar a explosões perigosas).

Perigo – Gás / vapor / névoa

Zona 0 – Local em que uma atmosfera explosiva que consiste em uma mistura com o ar de substâncias perigosas na forma de gás, vapor ou névoa está presente continuamente ou por longos períodos ou com frequência.

Zona 1 – Um local em que uma atmosfera explosiva que consiste em uma mistura com o ar de substâncias perigosas na forma de gás, vapor ou névoa provavelmente ocorre ocasionalmente em operação normal.

Zona 2 – Um local em que uma atmosfera explosiva que consiste em uma mistura com ar de substâncias perigosas na forma de gás, vapor ou névoa provavelmente não ocorrerá em operação normal, mas, se ocorrer, persistirá apenas por um curto período.

Perigo – Pó / pó

Zona 20 – Um local em que uma atmosfera explosiva na forma de uma nuvem de poeira combustível no ar está presente continuamente, por longos períodos ou com frequência.

Zona 21 – Um local em que uma atmosfera explosiva na forma de uma nuvem de poeira combustível no ar provavelmente ocorrerá ocasionalmente em operação normal.

Zona 22 – Um local em que não é provável que ocorra uma atmosfera explosiva na forma de nuvem de poeira combustível no ar em operação normal, mas, se ocorrer, persistirá apenas por um curto período.

Compartilhar
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Ficou interessado ou está com alguma dúvida?

BRASMO

preencha seus dados abaixo