Máscara como aliada na proteção contra doenças respiratórias

Máscara como aliada na proteção contra doenças respiratórias

Tabela comparativa do tempo de proteção por tipo de máscara

De acordo com as normas estabelecidas pela OMS (Organização Mundial da Saúde), as pessoas devem usar máscara para evitar a propagação da COVID-19. Em 2022, a variante Ômicron, além de outras doenças respiratórias, como a influenza, têm reforçado esta proteção. As máscaras são aliadas na proteção e devem cobrir a boca, nariz e devem ser utilizadas sempre que você sair de casa para frequentar algum ambiente que tenha circulação de pessoas.

Segundo o Dr. Howard Forman, professor de saúde pública da Universidade de Yale, as máscaras não têm somente o objetivo de impedir que você pegue o vírus, mas também de evitar que você o transmita para outras pessoas. O professor ainda emenda: “Se todos seguirem essa recomendação com cuidado, você estará claramente se beneficiando do coletivo”. A máscara é apenas uma peça do quebra-cabeça: para que elas sejam eficazes, devem ser usadas corretamente.

Ajuste ao rosto

As coberturas para o rosto devem ser confortáveis, mas acima de tudo elas devem cobrir todo o nariz, boca e se estender por baixo do queixo. Desta maneira, você consegue respirar normalmente. Vale lembrar que os lados da máscara devem ficar bem próximos ao seu rosto, fechando ao máximo as possíveis entradas de partículas. As máscaras fabricadas pela Brasmo são consideradas as descartáveis com a melhor proteção contra partículas.

O Dr. Forman relata as dificuldades que os usuários de óculos passam na utilização das máscaras e ainda traz outros dados: “Crianças com menos de 2 anos e pessoas com dificuldades respiratórias não devem utilizar máscaras de pano”. Nesses casos, a ideia é utilizar máscaras feitas de outros materiais, mesmo que não sejam tão confortáveis assim, pois os danos da sua não utilização são muito mais graves.

Coloque a máscara com cuidado

Independentemente de você estar usando uma máscara caseira, cachecol, bandana ou máscara cirúrgica, uma das etapas mais importantes antes de colocá-las ou retirá-las é lavar bem as mãos com água e sabão ou usar álcool acima dos 70%.

A Organização Mundial da Saúde sugere que as pessoas primeiro limpem as mãos antes de colocar uma máscara e verifiquem se não há buracos ou rasgos no material. Se a sua máscara tiver uma ponte ou um ajustador nasal, segure-a firmemente e passe as tiras pelas orelhas. Uma bandana, lenço ou máscara de pano deve ser aplicada com o mesmo cuidado.

Lembrando que, a parte externa da máscara pode estar contaminada, e a recomendação é que não exista contato entre você e a parte externa da máscara. Ainda, apesar de os materiais de tecido fornecerem algum nível de proteção, atualmente o equipamento de proteção individual mais recomendado para esta proteção é a máscara PFF2.

Não toque na máscara enquanto a estiver usando: você não deve ajustar ou mover sua máscara enquanto estiver na rua, dizem os especialistas da Universidade de Yale. É sempre importante lembrar que a parte externa da máscara é considerada uma área contaminada.

Retire a máscara com cuidado

A chave é evitar contaminar acidentalmente suas mãos ou tocar seu rosto, principalmente se você é um profissional de saúde ou cuida de alguém infectado(a).

Tenha muito cuidado para não tocar na frente da máscara, nos olhos, nariz e boca ao remover a máscara. Salientamos: toda vez que você utilizar as máscaras, faça uma higienização em suas mãos.

Lembre-se: usar uma máscara ou uma cobertura para o rosto de pano não o torna invencível ou imune ao vírus. “Não há dúvida de que você pode obter partículas virais do lado de fora”, diz Forman. Mas esta tem sido, comprovadamente, a melhor maneira de se proteger durante a pandemia de Coronavírus.

 

Tempo de proteção por tipo de máscara

Dados da Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH) mostraram que, no último ano, o vírus leva cerca de 15 minutos para infectar uma pessoa saudável em contato com uma doente quando as duas estão sem máscara, frente a frente, a uma distância inferior a dois metros.

Fonte:  Bethânia Nunes, Metrópoles (2022)

 

Vacinação

Além da proteção trazida pela utilização das máscaras, é importante destacar que a vacinação reduz consideravelmente o risco de agravamento e hospitalização a partir do contágio por Coronavírus e suas variantes. Segundo a Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA), as vacinas de reforços da Pfizer contra a Covid-19 aumentam para 95% a proteção contra morte causada pela variante Ômicron em pessoas com 50 anos ou mais.

“Como a vacina treina nosso sistema imunológico para combater o coronavírus, ela não reduz tanto o número de infectados, no entanto, dá certa proteção contra a doença sintomática, uma proteção considerável contra as hospitalizações e sendo a efetividade maior contra a mortalidade”.

Compartilhar
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Ficou interessado ou está com alguma dúvida?

BRASMO

preencha seus dados abaixo